Vazamento de óleo no litoral destrói produção de ostras em Alagoas


Pelo menos 2.500 sementes, que estavam em período de reprodução, foram perdidas por conta do derramamento de óleo (Foto: Governo de Alagoas)

O óleo que atinge as praias do litoral do Nordeste desde o dia 30 de agosto já comprometeu a produção de ostras na cidade de Porto de Pedras, na faixa litorânea norte de Alagoas. De acordo com a Associação Mariostra, 2.500 sementes que estavam em período de reprodução no rio Manguaba foram perdidas por conta da tragédia ambiental. Só em Alagoas, outras 13 cidades também foram atingidas. O Instituto do Meio Ambiente (IMA) do estado informou que 726 toneladas de óleo misturadas com areia contaminada foram retiradas até o momento das praias.


Em entrevista à jornalista Nahama Nunes, da Rádio Brasil Atual, a presidenta da Associação Mariostra, Edmara Lara, conta que o desastre ambiental destruiu toda a produção de ostras desenvolvida com exclusividade pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) para as pequenas produtoras do município. “A expectativa dos associados – que são 22, mas estavam em atividade apenas 13 porque a gente estava aguardando novas sementes e novas mesas para poder abrigar o restante da comunidade – era de entrar nessa temporada de férias, quando vem o pessoal de fora para cá, para poder suprir toda essa demanda. Porque você fala em ostra e todo mundo quer e agora nosso sonho foi por terra, não temos condição de comercializar absolutamente nada”, lamenta a presidenta.


Segundo Edmara, os danos ambientais provocados pelo derramamento do óleo são imensuráveis, e outras produções podem ser destruídas, prejudicando ainda o sustento das famílias locais. “Se ficar constatado realmente o problema, que é muito provável que aconteça, do envenenamento da água, não é só ostra não. Ali no mangue tem siri, caranguejo, quer dizer, isso tudo está condenado. Nós estamos falando de ostra porque o impacto do óleo, daquelas manchas, foi em cima delas”, relata Edmara. “Mas nós estamos dentro da APA (Área de Proteção Ambiental) Costa dos Corais, a segunda maior reserva de corais no mundo, e justo numa área de preservação de tão grande importância aconteceu um negócio desse”, lamenta.

Fonte: www.redebrasilatual.com.br

0 visualização
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone SoundCloud

Contato

Telefone: (84) 3211-4491

E-mail: seapac.estadual@seapac.org.br

Endereço

Cep: 59065-290

Rua Trajano Murta, 3317 – Candelária, Natal-RN

Links Rápidos

©2018 por S.talk. Todos os direitos reservados SEAPAC-RN