Subnotificação da violência contra a mulher cresce e exige inovação dos canais de denúncia


Cresce subnotificações de violência contra mulher (Foto: Marcos Santos/USP)

Dados oficiais são insuficientes para revelar a realidade da violência contra a mulher no Brasil dentro do contexto de pandemia. É o que mostra levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta segunda-feira (20), em parceria com a empresa de pesquisa Decode Pulse. A dificuldade na notificação – que já era histórica – é agravada no isolamento imposto pelo novo coronavírus, com alguns estados apresentando queda no número de registros de ocorrências no mês de março, enquanto relatos de brigas de casal no Twitter tiveram aumento de 431%. Ao todo, foram analisadas 52.315 menções feitas por terceiros na rede social entre fevereiro e abril.


Em paralelo, a organização não-governamental, a pedido do Banco Mundial, levantou as ocorrências de agressões domésticas, ameaças e estupros no Pará, Rio Grande do Sul, Acre, Ceará e Rio de Grande do Norte, e notou queda nos índices em pelo menos quatro deles. No caso dos registros de lesão corporal dolosa, por exemplo, que demandam a presença física das vítimas, o número de ocorrências caiu de 953, em março de 2019, para 744 em março deste ano em Mato Grosso, uma queda de 21,9%. Já no Rio Grande do Sul, foram 1.744 denúncias ante 1.925 registros feitos no ano passado, redução de 9,4%. No mesmo período, houve queda também no Acre, de 28,6%, e no Ceará, 29,1%. Apenas no Rio Grande do Norte as denúncias cresceram, 34%.


Para a diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Samira Bueno, “as mulheres confinadas podem estar encontrando dificuldades para fazer o registro das ocorrências, uma vez que a principal porta de entrada para denunciar esses crimes são as delegacias de polícia”. A subnotificação das ocorrências no Brasil, no entanto, repete o padrão encontrado em outros países do mundo, que, apesar de registrarem um aumento nos casos de violência contra a mulher, também apresentaram dificuldades nos canais de denúncia oficiais pelo fato de as vítimas estarem confinadas com seus agressores. Na análise da organização, as redes sociais são um termômetro da realidade da violência doméstica e o aumento nos relatos de brigas de casal, na maioria das vezes feitos por vizinhos, reforçam a importância dos estados e da União modernizarem os canais de denúncias.

Fonte: https://www.redebrasilatual.com.br/

0 visualização
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone SoundCloud

Contato

Telefone: (84) 3211-4491

E-mail: seapac.estadual@seapac.org.br

Endereço

Cep: 59065-290

Rua Trajano Murta, 3317 – Candelária, Natal-RN

Links Rápidos

©2018 por S.talk. Todos os direitos reservados SEAPAC-RN