top of page

Seapac realiza curso do Programa 1 Milhão de Cisternas para comunidades rurais da região do Seridó potiguar

Curso “Manejo Sustentável da Água” é o momento de capacitação das famílias contempladas com cisternas de placas para o armazenamento de 16 mil litros da água da chuva.


CAIO BARBOSA - ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO | SEAPAC

CURRAIS NOVOS | RIO GRANDE DO NORTE


O Seapac (Serviço de Apoio aos Projetos Alternativos Comunitários) realizou no último final de semana o curso "Manejo sustentável da água" com as famílias beneficiadas pelo Programa 1 Milhão de Cisternas (P1MC), uma iniciativa da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) que se tornou uma política pública do governo federal. O evento aconteceu na Escola Municipal Professor Humberto Gama, em Currais Novos, na região do Seridó potiguar.


Participaram do curso 203 famílias camponesas e quilombolas provenientes de 32 comunidades rurais do município. As atividades tiveram início no sábado às 8 horas da manhã com uma abertura no ginásio da escola, onde a equipe do Seapac e parceiros locais deram as boas-vindas aos participantes. Após um café da manhã comunitário, os agricultores e agricultoras foram divididos em turmas de 30 pessoas para participarem da capacitação, que durou até domingo, sendo finalizado com um grande almoço comunitário entre todas e todos os participantes do curso.


O curso "Manejo Sustentável da Água" faz parte do cronograma de execução do Programa da ASA para implementação das cisternas do P1MC. As cisternas, com capacidade de armazenamento de 16 mil litros de água, são destinadas ao consumo humano (beber e cozinhar). Durante o curso, os participantes aprenderam sobre a história e a cronologia das ações da ASA, a importância da convivência com o Semiárido e as técnicas e cuidados necessários para o manejo adequado da cisterna e da água armazenada.

O Seapac está implementando o Programa do P1MC nas regiões do Trairi e Seridó potiguar, com a meta de construir 500 cisternas, beneficiando diretamente 2 mil pessoas nos municípios de Caicó, Currais Novos e Santa Cruz. Ao longo dos seus 31 anos de atuação, a instituição já construiu quase 20 mil cisternas de primeira água nos municípios do Rio Grande do Norte.


ASA e o Programa 1 Milhão de Cisternas

O Programa 1 Milhão de Cisternas (P1MC) foi idealizado pela ASA como uma solução sustentável para o problema da escassez de água no Semiárido brasileiro. Desde o seu início, o programa tem como objetivo garantir o acesso à água de qualidade para as famílias rurais através da captação e armazenamento da água da chuva em cisternas de placas. Estas cisternas são construídas com materiais locais e mão de obra comunitária, promovendo não apenas a segurança hídrica, mas também o fortalecimento das comunidades.


O Programa 1 Milhão de Cisternas (P1MC) é crucial para a segurança hídrica ao garantir o acesso contínuo e confiável à água potável para famílias no Semiárido brasileiro. A segurança hídrica envolve a disponibilidade de água suficiente em qualidade e quantidade para atender às necessidades diárias, reduzindo a vulnerabilidade das comunidades à escassez de água, especialmente durante os períodos de seca.


Além disso, o P1MC contribui para a soberania hídrica, que se refere à capacidade das comunidades de controlar e gerir seus próprios recursos hídricos de forma independente. Ao proporcionar tecnologias simples e eficazes para captação e armazenamento de água da chuva, o programa empodera as famílias locais, fortalecendo sua autonomia e resiliência diante das adversidades climáticas e estruturais da região.


Convivência com o Semiárido: Uma Nova Abordagem

A ASA e o P1MC representam uma mudança de paradigma na abordagem da seca no Semiárido. Em vez de combater a seca, a estratégia é promover a convivência com o Semiárido, desenvolvendo tecnologias e práticas sustentáveis que permitam às comunidades rurais viver de maneira resiliente e produtiva. Essa mudança de enfoque é fundamental para a sustentabilidade ambiental e social da região.


Conviver com o semiárido é adotar práticas e tecnologias que permitam às comunidades camponesas, tradicionais e povos originários possam ter condições dignas de viver e permanecer na Caatinga, uma região caracterizada por longos períodos de seca e escassez de água. Em vez de combater a seca, a ideia é aprender a lidar com as condições climáticas e ambientais específicas, desenvolvendo métodos que aproveitem ao máximo os recursos disponíveis e minimizem os impactos negativos das adversidades naturais.

Em suma, conviver com o semiárido envolve uma mudança de paradigma de combate à seca para adaptação e sustentabilidade, e programas como o P1MC da ASA são instrumentos essenciais para capacitar as comunidades a prosperar nas condições desafiadoras do Semiárido brasileiro. A convivência com a Caatinga e suas temáticas são eixo central na metodologia do curso realizado pelo Seapac.


Ao final do curso, todos os participantes estavam credenciados a receber suas cisternas, concretizando um direito humano fundamental: o acesso à água. A entrega das cisternas não é apenas uma conquista material, mas também uma vitória simbólica na luta pela dignidade e qualidade de vida das famílias do Semiárido potiguar.


Este evento e a implementação das cisternas pelo Seapac demonstram o impacto positivo que iniciativas de base comunitária e políticas públicas inclusivas podem ter no fortalecimento das comunidades rurais e na promoção da sustentabilidade no Semiárido brasileiro.


27 visualizações0 comentário

Σχόλια


bottom of page