MST dedica doação de 500 toneladas de alimentos a vítimas de Eldorado do Carajás


“Isso ocorre em meio a uma situação bastante difícil das políticas voltadas para a reforma agrária", afirma coordenadora (Foto: Divulgação MST)

Há 24 anos, em 17 de abril de 1996, 21 sem-terra foram assassinados no episódio que ficou conhecido como Massacre de Eldorado de Carajás, no Pará. Anualmente, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza uma vigília em memória aos mortos nesta data, que marca o Dia Mundial da Luta Pela Terra. Este ano, em decorrência das medidas de isolamento social para conter o contágio em meio à pandemia do coronavírus, a vigília se transformou em doações por todo o país. “Não teria outra forma de homenagear os mortos senão através dessa que é uma ação tão direta no diálogo com o povo da cidade. Toda vez que chega um alimento da reforma agrária é também um chamado para que o povo da sociedade contra o vírus, mas também contra fome e desigualdade social no País”, explica Kelli Mafort, da coordenação nacional do MST.


Em São Paulo, o movimento realizará doações de alimentos na Favela do Moinho, no Bom Retiro, assim como em Belo Horizonte, Alagoas, Rio de Janeiro, Recife, Maranhão, Paraná e Rio Grande do Sul. No extremo sul da Bahia, a juventude do MST organizou uma doação de sangue. Mafort afirma que a iniciativa vem ocorrendo há duas semanas, desde o início de abril, e hoje marca o dia de intensificação de doações, que deve ultrapassar 500 toneladas. Somente nesta sexta-feira, 17 apenas o estado da Bahia deve doar cerca de 200 toneladas de alimentos da reforma agrária. “O ponto alto das nossas mobilizações é a doação de alimentos. Desde que começou a pandemia, nós estamos nos envolvendo em cerca 100 ações de solidariedade em todo país”, afirma Mafort.


Ela destaca que as doações envolvem um processo de trabalho de base permanente com a população em meio a adversidades. “Isso ocorre em meio a uma situação bastante difícil das políticas voltadas para a reforma agrária. Nós estamos há cerca de oito anos praticamente com um número muito baixo de famílias acampadas que tiveram acesso à terra, muitos assentamentos sem política de crédito, sem renegociação de dívidas”. As ações de solidariedade do movimento, em meio à pandemia do novo coronavírus, contrasta com posições de empresários brasileiros. No dia 1º de abril, no Rio Grande do Sul, o MST anunciou a doação de arroz orgânico para ajudar a compor a cesta básica de pessoas em situação de vulnerabilidade. No mesmo dia, um dos sócios do Madero, Junior Durski, demitiu 600 trabalhadores.

Fonte: https://www.brasildefato.com.br/

0 visualização
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone SoundCloud

Contato

Telefone: (84) 3211-4491

E-mail: seapac.estadual@seapac.org.br

Endereço

Cep: 59065-290

Rua Trajano Murta, 3317 – Candelária, Natal-RN

Links Rápidos

©2018 por S.talk. Todos os direitos reservados SEAPAC-RN