MP 905 põe em jogo o descanso semanal remunerado


Amazonas (MPT), Paim, Lima (Sinait) e Cherulli (IBDP): MP "verde e amarela" foge de seu objetivo, prejudica categorias e enfraquece fiscalização (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

A Medida Provisória (MP) 905, do “contrato de trabalho verde e amarelo”, voltado ao primeiro emprego de jovens, configura uma nova “reforma” trabalhista, com introdução dos chamados jabutis, gíria para itens que não têm relação com o tema original. As críticas foram feitas na segunda-feira (17) pelo secretário de Relações Internacionais do Ministério Público do Trabalho (MPT), durante audiência pública promovida pela Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado. Em discussão por uma comissão mista – deputados e senadores –, a MP deverá ser votada pelo colegiado após o carnaval. Está prevista para a quarta-feira (19) o parecer do relator, deputado Christino Aureo (PP-RJ). O presidente da comissão mista é Sérgio Petecão (PSD-AC).


O objetivo anunciado do governo é estimular o primeiro emprego de jovens de 18 a 29 anos. Mas, para isso, diz o procurador, o Executivo faz uma série de alterações na Consolidação das Leis do Trabalho, que já passou por reforma recente, implementada pela Lei 13.467, de 2017. “São 135 dispositivos da CLT alterados somente pelo artigo 28 da medida provisória. Está em jogo o repouso semanal remunerado. Se aprovada essa medida, o repouso vai se dar apenas em um a cada quatro domingos para o comércio ou em um a cada sete domingos na indústria. Deveríamos chamar de medida da nova reforma trabalhista. Isso daria um pouco mais de transparência e honestidade intelectual. Aqui estamos diante de jabutis, que devem ser devolvidos por esse Parlamento”, afirmou Amazonas.


O presidente da CDH, senador Paulo Paim (PT-RS), também criticou a quantidade de assuntos incluídos na MP, que segundo ele trata de “quatro ou cinco grandes temas”. Para ele, o Congresso deveria analisar apenas artigos relativos ao “contrato verde e amarelo” e sobre estímulo ao microcrédito, devolvendo ao Executivo itens sobre a CLT. “Essa MP já veio com essa quantidade maluca de assuntos. A gente não pode alegar que foi a Câmara ou o Senado que colocou o jabuti. Já veio de lá (do Palácio do Planalto) assim e vai continuar vindo”, disse Paim. “De tantas matérias que eles (do Poder Executivo) mandam, se pegar todos os parlamentares, Câmara e Senado, 90% não sabem o que está sendo votado. Ninguém sabe”.

Fonte: https://www.redebrasilatual.com.br/

10 visualizações
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone SoundCloud

Contato

Telefone: (84) 3211-4491

E-mail: seapac.estadual@seapac.org.br

Endereço

Cep: 59065-290

Rua Trajano Murta, 3317 – Candelária, Natal-RN

Links Rápidos

©2018 por S.talk. Todos os direitos reservados SEAPAC-RN