CIMI repudia morte do líder indígena Paulino Guajajara


Paulo Paulino, assassinado (Foto: www.cnbb.org.br/cimi)

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi), com indignação e tristeza, acusa e responsabiliza o Estado e o governo brasileiro pelo covarde assassinato de Paulo Paulino Guajajara, ocorrido na noite desta sexta-feira, 1º de novembro, no interior da Terra Indígena Arariboia, no Maranhão. O indígena tinha 26 anos e deixa esposa e um filho.


Para o Cimi, as recorrentes falas do presidente da República contra a demarcação e regularização dos territórios, seguidas de um ambiente regional preconceituoso contra os indígenas, têm sido o principal vetor para invasões e violência contra os povos indígenas no Brasil.


Entre janeiro e setembro de 2019, o Relatório Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil, do Cimi, contabilizou 160 casos de invasão a 153 terras indígenas de 19 estados, aponta a organização. Conheça a íntegra da Nota de Repúdio do Cimi: https://cimi.org.br

Fonte: http://www.cnbb.org.br/

5 visualizações0 comentário