Brasil ocupa 4º lugar no ranking de assassinatos de lideranças ambientais


Segundo documento, maior parte dos ativistas assassinados lutavam contra setor de mineração e extração ilegais / Ina Fassbender/AFP

A ONG Global Witness apontou, em relatório divulgado na terça-feira (30), que 164 ativistas ambientais foram assassinados em 19 países no ano de 2018. O ranking das nações é liderado pelas Filipinas, que teve 30 defensores ambientais mortos no ano passado, seguido por Colômbia, com 24, Índia (23) e Brasil (20). Segundo o documento, 43 mortes foram de ativistas que lutavam contra o setor de mineração e extração ilegais, sendo que 21 militavam na área da agricultura e 17 em movimentos e atingidos por barragens.


"É um fenômeno que pode ser visto em todas as partes do mundo. Os defensores do meio ambiente e da terra, dos quais um número significativo são representantes dos povos indígenas, são considerados terroristas, criminosos ou delinquentes por defenderem seus direitos", diz Victoria Tauli-Corpuz, relatora especial sobre os direitos dos povos indígenas da ONU, em texto assinado no informe.


Para a especialista, "os assassinatos documentados pela Global Witness geralmente ocorrem em meio a ameaças e violências cometidas contra comunidades inteiras". Entre os 19 países onde houve assassinatos de ativistas ambientais, Guatemala apresentou o maior salto em relação ao ano de 2017, passando de 12 para 16 mortes.

Fonte: www.brasildefato.com.br

0 visualização
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone SoundCloud

Contato

Telefone: (84) 3211-4491

E-mail: seapac.estadual@seapac.org.br

Endereço

Cep: 59065-290

Rua Trajano Murta, 3317 – Candelária, Natal-RN

Links Rápidos

©2018 por S.talk. Todos os direitos reservados SEAPAC-RN