Aldeia indígena enfrenta ameaça existencial por tragédia


Para os críticos, o rompimento da barragem revela os riscos dessas diretrizes. (Lucas Hallel ASCOM/FUNAI)

Quilômetros correnteza abaixo a partir de onde uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho (MG) se rompeu na sexta-feira, deixando dezenas de mortos e quase 300 desaparecidos, uma pequena aldeia indígena enfrenta dúvidas sobre sua própria existência, uma vez que o rio do qual sua vida depende está poluído pelos detritos de mineração. Os peixes do rio Paraopeba são a principal fonte de alimento dos membros da tribo Pataxó Hã-hã-Hãe, que vivem no final de uma estrada de terra sinuosa. Os moradores do vilarejo também se banham e lavam as roupas em suas águas.


Mas depois que a barragem de rejeitos da mina Córrego do Feijão estourou, soterrando comunidades e transformando as águas antes claras do rio em um fluxo marrom barrento, os cerca de 80 moradores da aldeia Pataxó Hã-hã-Hãe de Naô Xohã dizem que temem ser forçados a retirar suas famílias. Embora nenhum Pataxó Hã-hã-Hãe esteja, até o momento, entre os 84 mortos confirmados ou os 276 desaparecidos, eles receiam que o desastre possa ser o fim de seu estilo de vida.


"Na quinta-feira eu estava aqui lavando minhas roupas, banhando meus filhos, e agora não posso nem tocar no rio", disse Sot de Ionara, contendo as lágrimas. "Nossos corações estão muito tristes por saberem que nada pode ser feito". O sofrimento dos Pataxó Hã-hã-Hãe coincide com o momento em que o atual governo sinaliza que quer eliminar os regulamentos para a mineração e reduzir as proteções de que as comunidades indígenas desfrutam atualmente. Para os críticos, o rompimento da barragem revela os riscos dessas diretrizes.


A Fundação Nacional do Índio (Funai) disse estar comprometida a ajudar a aldeia Naô Xohã, garantindo o suprimento de água potável, entre outras medidas. Mas a confiança nas autoridades é baixa após a tragédia. "Você acha que uma mineradora qualquer se preocupa com isso? Você acha que um prefeito qualquer se preocupa com esta área?", indagou Sot de Aigoho. "Eles só amam o dinheiro e a mineração".

Fonte: www.domtotal.com / Reuters

0 visualização
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone SoundCloud

Contato

Telefone: (84) 3211-4491

E-mail: seapac.estadual@seapac.org.br

Endereço

Cep: 59065-290

Rua Trajano Murta, 3317 – Candelária, Natal-RN

Links Rápidos

©2018 por S.talk. Todos os direitos reservados SEAPAC-RN