“A reforma tributária é a mais importante para o Brasil superar a desigualdade social"


Rosa Chieza (Foto: Paes e Ferreira)

A tributação não pode ser vista apenas como uma política cujo resultado assegura um montante de recursos para o Estado investir em serviços públicos, mas deve ser pensada antes de tudo como uma política pública. É a partir dessa concepção que a economista Rosa Angela Chieza defende a Reforma Tributária Solidária – RTS, proposta pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil – Anfip, pela ENAFISCO com apoio de outras instituições, como o Conselho Federal de Economia – Cofecon e o Instituto Justiça Fiscal - IJF, a fim de assegurar a distribuição de renda e o enfrentamento das desigualdades no país.


“A tributação não é apenas uma política cujo resultado é um montante de recursos em poder do Estado, que financiará os gastos públicos em diferentes áreas, como saúde, educação, justiça, defesa civil, serviços de bombeiros e outros, mas é também uma política pública, porque através dela o Estado opta por tributar: Quem? Quais classes? Quais rendas opta por tributar mais? A renda advinda de salário? Ou a renda advinda de lucros e dividendos?, por exemplo. Ao fazer esta opção por tributar ‘mais quem’ em detrimento de ‘quem de qual classe social’, de qual nível de renda, o Estado estará beneficiando um grupo na sociedade em detrimento de outro”, explica.

Na entrevista a seguir, concedida por e-mail para a IHU On-Line, Rosa menciona que a opção do Brasil pela tributação sobre o consumo e não sobre a renda, como acontece nos países desenvolvidos, está relacionada a aspectos políticos e culturais, e há mais de um século o país insiste num modelo tributário concentrador de renda.


“Já em 1905, Manoel Bomfim, em seu livro “América Latina”, aponta que um dos desafios do Brasil era aumentar a tributação sobre renda e capital e diminuir sobre o consumo porque, naquele momento, os impostos indiretos, que incidiam sobre o consumo, representavam em torno de 77% do total arrecadado pelo Estado brasileiro. Pois bem, mais de um século depois, olhando os dados da Receita Federal do Brasil divulgados em novembro de 2018, observa-se que este percentual em 2017 foi de 75%. Ou seja, vivemos neste período, em relação à tributação como instrumento para a redução da desigualdade, que é um dos indicadores de desenvolvimento econômico, a ‘mudança que não muda’, parafraseando Florestan Fernandes”.

Matéria completa: http://www.ihu.unisinos.br/589925-a-reforma-tributaria-e-a-reforma-mais-importante-para-o-brasil-entrevista-especial-comrosa-angela-chieza

3 visualizações
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone SoundCloud

Contato

Telefone: (84) 3211-4491

E-mail: seapac.estadual@seapac.org.br

Endereço

Cep: 59065-290

Rua Trajano Murta, 3317 – Candelária, Natal-RN

Links Rápidos

©2018 por S.talk. Todos os direitos reservados SEAPAC-RN